MUNDO VUCA, NOVO NORMAL E A BOA E VELHA COMUNICAÇÃO

O conceito de Mundo VUCA, com suas características de volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade, nunca teve tanto sentido como em 2020.

 

Imagem de um tablet com a sigla VUCA e suas explicações

 

Vivemos os últimos 8 meses, após o surgimento da covid-19, uma reviravolta de todos os planos e execuções que tínhamos para o ano. E a sigla VUCA, que nasceu na década de 90 diante de um cenário de guerra pelos EUA, e nas décadas seguintes foi usada pelo mundo corporativo para lidar com meios cada vez mais efêmeros, imprecisos, confusos e duvidosos, passou a nos remeter a um sentimento real de MUVUCA. Sim, àquele atrelado à confusão, excesso e dispersão em meio ao caos.

As mudanças que vinham sendo direcionadas pelas inovações tecnológicas e seus impactos sobre a formação, profissão, produção e consumo, pontuadas por alguns estudiosos no tema, como o historiador Yuval Harari, em As 21 Lições para o Século 21, sofreram uma aceleração sem precedentes com a pandemia.

Diante desse novo cenário a comunicação, que também já vinha sendo apontada como um diferencial competitivo da nova era, tanto para o desenvolvimento de carreiras como de negócios, passou a requerer um posicionamento ainda mais estratégico, onde a habilidade de filtro na busca por conhecimento frente ao excesso de informação, e o foco assertivo na forma de divulgação, tem separado os destinos entre o evoluir e o sucumbir.

Se por um lado os dados se apresentam como ferramental essencial para que empresas conheçam os hábitos e necessidades de clientes e consumidores, de todas as espécies, saber como e quando chegar até eles é ainda mais importante. Pois, do lado de lá, eles, os consumidores, também nunca tiveram tantas possibilidades de acesso à informação, perdendo-se facilmente em um abismo de dispersão.

E isso se replica igualmente quando falamos de desenvolvimento de carreiras, onde o movimento, o conhecimento constante e, especialmente, onde e como os aplicar pode definir o destino dos talentos.

Em síntese, em meio às muitas vertentes impostas por um mundo VUCA impactado pelo “novo normal” tornou-se ainda mais necessário saber focar a informação que nos leva a aprender e, a partir dela, apreender, empreender e transcender para vencer.

 

Erika Baruco,  head da Baruco Comunicação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *